Coluna Politica Pimenta no Reino 20-07-2018

Publicado em 21/07/2018 - 14:16 | Por Redação

Em plena crise econômica, governo de Tião Viana agracia ONG com quase R$ 500 mil   

A SOS Amazônia foi contratada para realizar um estudo de viabilidade econômica de produtos como o óleo de buriti

Chupa essa!

A coluna recebeu uma imagem que mostra o ex-prefeito Marcus Alexandre (PT), pré-candidato ao governo do estado pela FPA, chupando uma laranja enquanto conversava com moradores da Transacreana. Nada demais no registro, óbvio. Até porque, com os companheiros no poder, o que não faltam no Acre são laranjas!

Os olhos da cara

A Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) fez o primeiro repasse, de um total de quase meio milhão de reais, para a ONG SOS Amazônia. Por si só, o valor impressiona. Mas a coisa fica ainda mais espantosa se soubermos que o contrato tem por objetivo a realização de um estudo técnico de viabilidade econômica de produtos florestais, tais como óleo de buriti, manteiga de murmuru, cacau nativo e borracha nativa.

Mercadores de ilusão

Há quase vinte anos no poder, os companheiros, já no primeiro mandato, vendiam a ilusão de que os produtos não-madeireiros da floresta haveriam de dar cabo da pobreza em que está submersa a maior parte dos acreanos.

Memória viva

O leitor certamente recorda que o neologismo ‘florestania’ foi criado como o slogan do que se propagava como um novo momento na política do Acre, que consistia, basicamente, na preservação do meio ambiente e na exploração racional das riquezas naturais.

Miragem

Pois bem, duas décadas depois, a tal florestania se mostrou um verdadeiro fiasco, com o estado a continuar dependendo dos repasses constitucionais e um percentual escorchante do ICMS sobre produtos como luz elétrica, telefonia, internet, combustível e gás de cozinha.

Tudo balela

Não tivesse bastado o engodo a que fomos submetidos pela lábia dos defensores das cutias e capivaras, eis que no apagar das luzes de um governo deplorável em todos os setores da administração pública, resolve-se empregar mais de 400 mil reais em um estudo que se inclina a repetir o retumbante fracasso das iniciativas anteriores.

Somatório geral

Some-se a esse fato a ladainha – iniciada ainda quando Tião Viana era senador – de que o Acre exportaria bambu para a China, e temos o retrato da falência do estado graças a iniciativas econômicas mirabolantes, dispendiosas, estapafúrdias e infrutíferas.

Contato telefônico

O colunista procurou a SOS Amazônia para obter detalhes sobre o estudo que vai nos custar mais de quatro centenas de milhares de reais. O secretário da ONG, Miguel Scarcello, explicou que os pesquisadores já estão em campo para cumprir o contrato, e acrescentou que o estudo deverá ficar pronto em seis meses. Scarcello deu a impressão de acreditar na viabilidade comercial dos produtos mencionados.

Curiosidade

No site da SOS Amazônia se pode verificar, por exemplo, que a entidade é uma grande entusiasta do I Fórum de Bicicletas de Rio Branco: Trilhando a Sustentabilidade, a ser realizado entre os dias 24 e 27 de agosto, no Cine Teatro Recreio, na Gameleira.

Teoria vs. prática

O uso da bike, defendem os ecologistas da ONG, é vital para a preservação da natureza. A única contradição nessa história é que a turma da florestania prefere andar mesmo é de carro importado – e com o ar condicionado no máximo.

De estarrecer

Chamou minha atenção, também, outra postagem no site da entidade, de título Dinâmicas Transfronteiriças (que pode ser lida aqui). O texto é ininteligível. Pior que a inépcia do autor, só mesmo a iniciativa de publicar o texto e mantê-lo no ar.

Questão de lógica

Ora, quem se depara com esse tipo de publicação no site da SOS Amazônia tem o direito de questionar se seus membros estão aptos a fazer um estudo de mercado.

Palpite

Resta concluir que seria bem mais proveitoso para os produtores de óleo de buriti, borracha nativa, manteiga de murmuru e cacau nativo se o governo resolvesse, ao invés de abastecer a conta bancária de uma ONG, ratear essa dinheirama entre quem produz.

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.