Coluna Política Pimenta no Reino 07-12-2018

Publicado em 07/12/2018 - 10:49 | Por Redação

Os pobres e os miseráveis da ‘era petista’ no Acre e duas definições muito bizarras do IBGE

Instituto diz que pobre é aquele que vive com até R$ 19,40 por dia, enquanto os miseráveis, com meros R$ 7,76

Lá e cá

O senador eleito Marcio Bittar (MDB) está em Brasília, onde, nos últimos dias, participou de encontros com técnicos da equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) – mais precisamente os da área do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Por telefone, Bittar disse à coluna que mantém ‘estrito compromisso’ com o programa vitorioso do futuro presidente da República.

Apoio

“Meu desejo é poder ajudar o Brasil e o Acre em todas as reformas propostas por Bolsonaro, incluindo as privatizações”, disse ele.

Composição

Com 12 senadores, o MDB continua a ter a maior bancada da Casa. Na sequência aparecem PSDB, com 8 senadores, PSD (7) e DEM e PT (6 senadores cada um).

Vai crescer

Tão logo haja a diplomação dos eleitos, o MDB deverá aumentar mais duas cadeiras na Casa. Uma é garantida, afirma Bittar. A outra seria, por enquanto, apenas uma possibilidade.

Autonomia

Aliado incondicional de Jair Bolsonaro, Bittar defende, porém, a autonomia dos Três Poderes, em especial as regras que norteiam a escolha dos futuros presidentes do Senado e da Câmara Federal.

No fio do bigode

Via de regra, a presidência do Senado fica com o partido que tiver a maior bancada. E ainda que o nome tenha que ser referendado pelo voto da maioria, em plenário, a tradição se impõe como um acordo entre cavalheiros. Ou seja: o MDB deverá comandar aquela Casa de Leis, conforme explicou Marcio Bittar.

Briga de foice

Enquanto isso, o PSL deverá brigar com o PT pelo comando da Câmara dos Deputados. O partido de Bolsonaro elegeu 52 representantes, contra 56 do segundo. É claro que após a diplomação, o PSL deverá abocanhar outros parlamentares, vindo a fazer a maioria. A briga pela Mesa Diretora da Câmara será, portanto, de foice.

Gangorra social

Na sua Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada na última quarta-feira (5), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que o Acre é formado por 47% de pobres e 17,4% de miseráveis. Trata-se, em verdade, do resultado de 20 anos de desgoverno petista.

Condição: estável

Referentes a 2017, os dados mostram estabilidade na comparação com o ano anterior, quando 47,6% dos acreanos estavam incluídos na linha de pobreza. A manutenção desse percentual nos leva a concluir o seguinte: se a catástrofe econômica mergulhou 2 milhões de brasileiros na pobreza, a política do atual governador Tião Viana não tirou ninguém de lá.

Estapafúrdio

O que chamou a atenção do colunista foram as definições de ‘pobreza’ e ‘extrema pobreza’ do IBGE, segundo as quais os miseráveis no Brasil são obrigados a viver com até dois dólares por dia (ou meros R$ 7,76), enquanto os pobres se arrastam com até cinco dólares – ou R$ 19,40.

Como é que é?

Em suma, a diferença entre pobres e miseráveis pode ser calculada de forma precisa: mais 11 reais e 64 centavos por dia – valor que, convenhamos, não compra, sequer, um marmitex por estas bandas.

Carência total

Ora, como pode então o órgão estabelecer, com base em um valor de R$ 364 mensais, a diferença entre uns e outros? Aposto que qualquer pesquisador do IBGE que fosse obrigado a viver com menos de R$ 20/dia se acharia um verdadeiro miserável.

Triste realidade

Mas o problema não reside nos conceitos, e sim na realidade. E, nesse aspecto, somos todos uns miseráveis, a viver em um estado devastado por 20 anos de uma política que enriqueceu alguns, em detrimento da penúria da maioria.

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.