A três meses das eleições, calendário começa a definir cenários para disputa

Publicado em 03/07/2018 - 11:11 | Por Redação

O mês de julho não será decisivo para muitos brasileiros apenas entre as quatro linhas dos estádios russos da Copa do Mundo. À medida que os dias avançam, o calendário estipulado pela Justiça Eleitoral vai aos poucos definindo quem será quem nessa que promete ser uma das eleições mais acirradas dos últimos tempos.

Não apenas isso: o cronograma oficial também estipula regras mais rígidas a quem está com a caneta na mão, definindo o que pode e o que não pode fazer. Uma notícia ruim para o Acre, em tempos de crise e num Estado altamente dependente das verbas da União, é que as transferências voluntárias federais estão proibidas de ocorrer a partir do dia 15 de julho; ficam livres, no entanto, aquelas obras já em andamento.

Conforme Ac24horas vem anunciando, o governo Sebastião Viana (PT) se deu ao luxo de perder recursos de emendas parlamentares apresentadas pela oposição para obras em rodovias, hospitais e a estruturação dos colégios militares.

Apesar de fazer algumas restrições quanto ao quadro de pessoal, o calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não veda a dança das cadeiras nos cargos comissionados e de confiança. Também fica livre a nomeação de pessoas aprovadas em concursos homologados até 7 de julho.

Já no campo mais da batalha pelos votos, os partidos ficam liberados para realizar suas convenções, “consagrando” seus candidatos, a partir do dia 20, com prazo-limite até 5 de agosto. É no próximo mês ainda que são feitos os registros de candidaturas e a entrega dos planos de governo.

O calendário também passa a permitir o uso do direito de resposta a candidatos e partidos caso tenham se sentido ofendidos nos debates ou tenham sido citados pelos adversários. Do dia 20 em diante os comitês ficam autorizados a abrir os cofres para suas estruturações física e virtual.

Essa gastança, no entanto, só será permitida aos que já possuírem o devido CNPJ de campanha liberado pela Receita Federal.

Enquanto ficam com um olho no eleitor e outro nas regras eleitorais para não perderem os prazos ou sofrerem qualquer tipo de punição, os candidatos sabem que as atenções, até 15 de julho, estão na Rússia, isso se a seleção nacional chegar à final do mundial. Passado essa etapa – com a ressaca do hexa ou a tristeza da derrota -, o que vale é caçar o voto.

fonte:ac24horas 

Veja também

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.